delírio lírico.

caminho nas ruas da madrugada,
como se meu lugar fosse há algumas quadras daqui.
talvez eu chegue lá:
bêbado ou com sono,
talvez desentendido.
lá, as paredes são macias,
o ar é frio, confortável.
um fluxo de calma emerge,
aos toques leves e macios das pessoas que lá residem.

estou em meu lugar.
soltos meus dedos,
permito que se debrucem sobre o teclado de uma maquina de escrever.
paro, penso em meu próprio estar – estação presente – e me sinto peculiarmente bem.
minhas ondas de decisões, ações e trocas caminham de mãos dadas,
convergem ao caos, e está tudo bem assim.
transcendo a política da preocupação.

no meu lugar, há uma cama agradável,
para me deleitar com sonhos cheio de memórias.

em meu lugar, o tempo não é circunscrito por uma porção de homens.
numa linha não-linear, conquisto e chego a ser todos aqueles eu’s que se debatem quando não estou aqui.

em pensamento possível, andar aquelas 2 quadras signfica abrir minhas mãos,
deixar cair os pedaços de vidro que amasso com tanta certeza de que são retratos do que deve ser.

em pensamento possível, apareço em um palco iluminado, e todo o universo se da em minha frente.
sem crise: atuo para quem desejo, e alguns passantes dessa minha linha do espaço-tempo estarão lá.
assim deve ser: deixo-os tornarem-se passantes.
eu eventualmente freio minha marcha, após duas quadras abstratas de meu delírio lírico.

torno-me ao meu reflexo:
sorrio.

Leave a Reply

Your email address will not be published.