súplica.

não está em meu alcance
ser nem metade do que me aspiram a ser.
eu não sou apenas eu,
mas todos vocês.
formamos um nós,
e agora encurralado em
extrapolações dos absurdos,
finalizamos-nos com as palavras.
na impossibilidade da expressão coesa e verbal
nos ataco em músicas e poesias para viver os sentimentos proibidos
em vossas narrativas.

quero paz.
não me deixem em paz.
transcedemos todos juntos.
faço a súplica e vocês,
o protesto.

talvez um dia.
por hora, sobrevivo tendo-me.

entre casulos e borboletas

nós não sabemos como sentir felicidade.
esquisita, quando chega toma formas mais comuns,
como ansiedade ou um choro tímido.

já não sabemos nem entristecer,
já que é proibido e deve ser compartilhado apenas
com objetos inanimados de um quarto qualquer.

finalmente, não sabemos nada de nosso íntimo,
desde que as paredes com o mundo a fora foi incentivada
e dominamos nosso patrimonio agora tão interno.

no mais, nos afundamos em preciosidades fechadas
com medo de tudo que é aberto.

o casulo é uma grande e passegeira prisão para uma borboleta
voar.

#

estou amaldiçoado,
pelos outros.

passaram-se os anos
e me enchi de flores
bem afiadas
e toda vez que as alcanço,
me lanço em espinhos raivosos.

agora sangro, e sem culpa.
esvazio pratos solenemente para passar o tempo.
a ciranda que vocês, meus, fazem ao redor de meu corpo
é bela e estéril, frustrada em si mesma.

juntos, produzimos epifenômenos declarados aqui como
paredes maciças de um corredor escuro onde o fim nunca é tocado por minhas
imprecisas mãos.
o momento é difícil de engolir.

sigo nestes versos prematuros, como tentativa de transtemporalizar estes minutos:

essa bola de vazio que me visita quando bem entende

sinto um vento frio – não sei se realmente está lá.
como um espírito, vem de fora,
e se faz bola de vazio dentro de mim:
gelada
inapropiada
desgostosa.

as cobertas me cobrem,
as cobertas podem me esquentar.

tremo minhas pernas. agora não de frio,
mas de angústia.
choro sem lágrimas – esvaneceram-se com os anos.

por vezes, sou meu pior monstro.
e nesse minuto apenas as cobertas podem me esquentar.

delírio lírico.

caminho nas ruas da madrugada,
como se meu lugar fosse há algumas quadras daqui.
talvez eu chegue lá:
bêbado ou com sono,
talvez desentendido.
lá, as paredes são macias,
o ar é frio, confortável.
um fluxo de calma emerge,
aos toques leves e macios das pessoas que lá residem.

estou em meu lugar.
soltos meus dedos,
permito que se debrucem sobre o teclado de uma maquina de escrever.
paro, penso em meu próprio estar – estação presente – e me sinto peculiarmente bem.
minhas ondas de decisões, ações e trocas caminham de mãos dadas,
convergem ao caos, e está tudo bem assim.
transcendo a política da preocupação.

no meu lugar, há uma cama agradável,
para me deleitar com sonhos cheio de memórias.

em meu lugar, o tempo não é circunscrito por uma porção de homens.
numa linha não-linear, conquisto e chego a ser todos aqueles eu’s que se debatem quando não estou aqui.

em pensamento possível, andar aquelas 2 quadras signfica abrir minhas mãos,
deixar cair os pedaços de vidro que amasso com tanta certeza de que são retratos do que deve ser.

em pensamento possível, apareço em um palco iluminado, e todo o universo se da em minha frente.
sem crise: atuo para quem desejo, e alguns passantes dessa minha linha do espaço-tempo estarão lá.
assim deve ser: deixo-os tornarem-se passantes.
eu eventualmente freio minha marcha, após duas quadras abstratas de meu delírio lírico.

torno-me ao meu reflexo:
sorrio.

me jogue fora.

quem gosto,
me desgosta
pois sou apenas metade
daquilo que se apresenta pelos meus braços e pernas
perambulando os ares
em quaisquer movimentos aleatórios, ordenados por expectativas
ordinárias.

e meus movimentos frágeis do querer
são considerados fantoches idiotas
de uma peça teatral que pouco vale.

isso porque mutações em um mesmo nome
são inválidas segundo quaisquer conjuntos de regras acumulados em
roteiros românticos,
onde ásperos dias e noites frias,
sangue, dor e choro inconsolável são todos
pedaços de algo surreal, que transbordaria
fênomenos estéticamente românticos e bonitos
e
ferraria toda essa imagem artística esculaxada que é
vosso romantismo cultural.

me jogue fora.

falsehoods.

something loud.
something,
mundane
to
fulfill the void.
the now
the here
the concrete.
the factual existence that rests all over this place.

otherwise I go crazy.
otherwise I lift.
otherwise, I die of madness.
handling
dealing
planning
doing
thinking.
actively running,
from the falsehoods of myself.
my historical illusions:
laying upon me.

vou-me embora.

incompetencia
do teu ego ao meu.

esmagamos-nos,
com cintos de segurança.

me vêm, lágrimas secas.
te vai, sorrisos imaturos.
também me vem: sorrisos imaturos,
te vai, lágrimas secas.

cambalhotas, sobre o nada.
e participo de toda nossa coisa de vermes:
se espalhando, cutucando-se, um acima, e abaixo do outro.
no mesmo momento, tudo.
o caos intrínseco das tentativas de nossas hierarquias.

bom, bom, não bom.
vou-me embora.

marcha do silêncio.

Aqui chegamos então
– não há caminhos senão este
E daqui, somos prisioneiros.
Por não termos sido prisioneiros de todos outros.

Me engasgo em soluções ilusórias.
Costumo agir em falácias românticas.

Essas palavras
fazem sua gênese em meu estômago agora enjoado.
Saem de minha garganta e deixam dor,
mas também alívio.

Me abraço no vazio após querê-lo.
Me encolho, e então,
melancolia.
– um bebê.

Mas amo-me por tudo que não foi.
Do resto fui tudo.

Minhas trágicas tragadas:
metafísica.
Tento ir mas fico aqui,
como todos os outros zumbis que me cercam.

Todos estão perdidos.
Àquele romanticismo teimoso, meu falso desapego.

E após e aquém de tudo,
o silêncio continua em sua marcha infinita.

broken glasses.

smash.
noise.
crack.

broken glasses
on the otherwise supposed
good, sweet and dreamy cube house.

the full house
getting injured once again
and its all over the places.
glass pieces on your brain,
and now only life to get them out,
– what life, but?

bleed the house!
empty house makes grin grow.
only then
– acception i mean, you see?
will the floor briefly smooth around us
and then finally:
band-aids,
followed by our incarnated relationships being
vulnerable and dialectical.

now, god damn it! hell on earth:
forward we go.